O sonho de qualquer empresário é fazer o negócio crescer. Depois da abertura da empresa e passada a sua fase de adaptação, com ajustes nos valores de retorno, gastos e investimentos, vem a hora em que ela deve ter a sua facturação ampliada para obter, finalmente, condições de gerar mais lucro.
A ideia parece simples, mas aumentar a facturação pode se tornar um pesadelo se você não o planear. É preciso pensar muito em como crescer sem prejudicar a saúde financeira ou perder qualidade e, por consequência, clientes. Deve fazer tudo para não danificar o negócio a médio e longo prazo. Mais importante que aumentar a facturação, é fazer isso de maneira saudável e prolongada, sem causar problemas. A pensar nisso, aqui estão 6 dicas que lhe ajudarão a facturar mais.
1. Conheça os processos do seu negócio
Antes de qualquer coisa, levante todas as informações relacionadas com as despesas da empresa. É fundamental, por exemplo, ter noção de quais são os processos do negócio, quais os contratos estabelecidos com fornecedores, as contratações, as ferramentas de publicidade, etc. Conhecer todas as partes ajudará a identificar o que realmente é importante para a empresa, o que não pode ser cortado e o que pode ser adaptado, reduzido ou mesmo eliminado das contas.
2. Acompanhe todas as despesas de perto e prepare-se para elas
Cabe ressaltar que é necessário também arrumar a casa antes de partir para ações na empresa. Para isso, reveja valores de contratos, cláusulas, gastos com publicidade, com infraestrutura e tudo que envolve as finanças para aumentar as margens de lucro sem adotar nenhuma nova medida, apenas reorganizando a empresa.
Isso deve ser feito, claro, sem prejudicar a qualidade do produto ou serviço oferecido. Lembre-se que cortar custos sem pensar na qualidade é ter prejuízos relacionados à perda de clientes e de credibilidade, o que mina qualquer chance de crescer.
3. Compreenda e relacione-se com o seu cliente
Depois de entender toda a empresa, é hora de olhar para aqueles que estão fora dela, mas são fundamentais para o seu bom funcionamento: os clientes.
Conheça qual o perfil do seu consumidor, quais produtos ou serviços ele contrata e quais os mais e menos buscados. Veja também valores relacionados a esse consumo e também como a sua concorrência tem se relacionado com os consumidores.
Com isso, dá para tomar medidas para melhorar a relação com eles e oferecer produtos melhores, ou mesmo aumentar o leque de serviços, trabalhar com fidelização e captação de novos clientes.
Em determinados casos, será possível identificar se está na hora de aumentar preços, por exemplo. Mas lembre-se que esse reajuste de valor não deve ser algo surreal. Portanto, faça aumentos que possam ser pagos por seu público-alvo.
Após saber quem é o consumidor, dá para tomar ações relacionadas ao mundo externo da empresa: se vale a pena ou não investir em ações de marketing, baixar preços ou fazer promoções.
4. Tenha uma atenção especial aos preços
A precificação é uma parte delicada nos negócios. Um bom preço, além de trazer rendimentos, pode ser uma importante ferramenta de fidelização e marketing.
Cabe dizer que um preço muito baixo pode atrair mais clientes, mas pode também não suprir as necessidades financeiras da empresa. Contudo, um preço muito alto, apesar de aumentar as margens de lucro, podem afastar clientes ou diminuir seu poder de compra.
Analise também o poder de compra dos seus clientes e qual produto ou serviço é o mais adequado para o bolso e a necessidade dessa clientela.
Não aja por impulso, pensando que baixando os preços se consegue mais clientes. Isso pode ser um golpe fulminante para as finanças empresariais e levar todo o negócio para o fundo do poço. Considere todos os custos para operação, os benefícios oferecidos ao cliente e o mercado antes de estabelecer seu preço.
5. Considere o que os concorrentes estão fazendo
É bom considerar os preços aplicados pela concorrência e os produtos oferecidos por ela. Se um produto é bom e justifica um preço mais alto que outros, ele aca ba não sendo caro, mas é importante mostrar o porquê do seu valor ser mais alto que o restante.
6. Use a tecnologia e a Internet
A internet ajudou a baixar muitos serviços, como por exemplo a divulgação de marcas. Estude possibilidades dentro das redes sociais, sites, blogs e outras ferramentas que ajudarão, por um custo mais baixo do que formas tradicionais de propaganda, a tornar sua empresa conhecida e também a realizar vendas.
As novas plataformas podem servir não apenas para divulgar, mas também para vender, e isso sai muito mais barato do que antigamente. Lembre-se que esse é um meio que serve tanto para aumentar o alcance do empreendimento quanto para economizar em pontos importantes.
A web pode ajudar no orçamento da empresa, passando por contratos, pagamentos a fornecedores e de tributos, até a publicidade e a relação com os clientes finais. Portanto, a Internet não deve ser descartada como um bom meio de expandir a facturação do seu negócio.